03 novembro 2007

António Tadeia: As claques em destaque

"As claques de futebol voltaram esta semana a marcar a actualidade desportiva. Primeiro por causa de uma espera à comitiva do Sporting que tão pobremente se exibiu na Choupana, onde empatou a zero com o Nacional, registando o terceiro jogo consecutivo sem ganhar.
Dois dias depois, numa assembleia do Benfica em que Luís Filipe Vieira esperava elogios por causa de ir apresentar contas no positivo, acabou por sair-lhe na rifa uma intervenção mal-educada (e que por pouco não chegou a ser mesmo musculada) das claques que, por estarem em situação ilegal, o Benfica impediu de acederem livremente ao estádio e de nele colocarem tarjas de apoio à equipa.
Não é preciso recuar muito no tempo para assistir a cenas em que as claques funcionavam como uma espécie de guarda pretoriana de dirigentes, contribuindo para uma melhor condução de assembleias gerais ou até conferências de imprensa em que eram aguardadas perguntas mais incómodas. Mas nem aqueles que, como eu, são admiradores do fenómeno enquanto ele se mantém saudável - gosto dos cânticos, da cor, da criatividade ou da capacidade para puxar pela equipa quando ela perde e decepciona o adepto comum - têm ilusões acerca dele. É que as claques têm servido para abrigar muitos excessos, tanto de índole política (xenofobia e racismo, quase sempre ligados à extrema-direita) como pura e simplesmente social (os famosos saques nas estações de serviço). E isso justifica uma lei que, sim, é cega, pode até suscitar dúvidas do ponto de vista constitucional (por que carga de água têm agora os sujeitos que fazem parte de um grupo de apoio futebolístico de enviar cópias do BI para a polícia?) mas que é absolutamente necessária.
Contudo, mesmo antes do comum cidadão, já de certeza os dirigentes perderam a fé nas claques que, como qualquer associação de natureza humana, acabam por se voltar contra o criador. Foi assim de Eva a Frankenstein, porque não haveria de ser com a Juventude Leonina ou os Diabos Vermelhos? E aqui chegadas, as claques acabam mesmo por funcionar como grupos de pressão, mecanismos normais em qualquer segmento da sociedade. Se José Sócrates tem os sindicatos dos professores ou da aviação civil, porque é que Vieira e Franco não haveriam de ter os No Name Boys ou o Directivo XXI? Afinal de contas, desde que legalizados (e é aqui que as claques perdem para os sindicatos), todos são grupos unidos por um interesse ou actividade comuns que se sentem incomodados pela acção do poder.
Os mais radicais adeptos leoninos estão indignados com uma política de recrutamento no mercado que tarda em dar resultados. Se acham que o clube fez mal em abdicar de cinco titulares (Ricardo, Caneira, Tello, Nani e o parceiro de Liedson no ataque, fosse ele Bueno ou Alecsandro) apenas para movimentar capital (o que entra nas vendas e o que sai nas compras) têm provavelmente razão, até porque pelo menos nos casos de Ricardo, Tello e do segundo avançado, o Sporting não terá feito tudo o que podia para ficar com eles. A Freitas nada mais resta do que perceber que se já foi importante noutras ocasiões, não é infalível. E, desde que tenha a consciência tranquila, só tem que continuar a fazer o melhor que sabe. Com menos razão (mas ainda assim com alguma), os mais radicais adeptos benfiquistas estão indignados com a falência da política de diálogo de um executivo que parece demasiado voltado para a modernidade e pouco para as mais profundas tradições do clube. É claro que têm de se legalizar, mas não cabe na cabeça de um careca que, tendo feito tantas coisas mais complicadas e difíceis de conseguir, Vieira não consiga levar um grupo de adeptos do próprio clube a cumprir a lei. Basta que queira fazê-lo. "

Fonte: Diário de Notícias

4 comentários:

Anónimo disse...

Um pequeno reparo para a ultima frase nao um pequeno grupo que cumpra a lei mas sim milhares de elementos das claques cumpram a lei!!!
SLB 4EVER

Anónimo disse...

deixa os falar. quero é que eles se fodam todos. ate a bofia ja pensa que pode acabar com os NN.
continuem a sonhar,que a gente de fora farta-se de rir de voçes.
ainda nos vamos rir muito mais da vossa cara,quando voltarem a ver as bandeiras na luz,para vosso desagrado!

fighttifo@gmail.com disse...

Ho companheiro mas tu percebes alguma coisa de claques ou grupos de apoio?????

Rapaz calate que até metes dó, num texto tão grande não consegiu dizer nada de concreto!!!!

E olha uma novidade, já não há assaltos a estações de serviçó á muito tempo...

BenficaBeerBoys disse...

Isto simplesmente tem a ver com o grupo e o clube. É tudo muito bonito e o pessoal de fora pensa que sabe tudo. Todos os elementos do gupo são sócios do clube, com quotas em dia e lógicamente o clube detém todos os dados de cada um. Por que razão havemos de meter a nossa vida nas mãos da policia? Há por aí muitos meninos a brincar ás claques, mas connosco não vão ter o que querem.. Benfica é Nosso, Benfica somos Nós!