02 setembro 2009

Entrevista aos Bianconero (Portimonense SC)

O Claques Portugal entrevistou os Bianconero, grupo que se estreou a 1 de Agosto de 2009 no primeiro jogo oficial do Portimonense, época 2009/2010.

Claques Portugal: Como surgiu a claque Bianconero?

Bianconero: A claque Bianconero surgiu devido à necessidade de um grupo de jovens em combater o silêncio que se vivia no Estádio Municipal de Portimão já há duas épocas, altura em que a direcção dos Ultras Marafados pôs o lugar à disposição na esperança que aparecesse alguém que pudesse levar o projecto avante, mas até à data ninguém apareceu. Assim, e após uma época de silêncio absoluto, e outra em que existiu um pequeno grupo de adeptos no topo sul que entoavam um cântico ou outro de vez em quando, surgiram os Bianconero.


C.P.: O grupo fez ressurgir então os grupos organizados de apoio em Portimão. Qual é a postura que a claque pretende adoptar nas bancadas?

B.: Acima de tudo, o que tentaremos incutir a todos os elementos que entrem no grupo será uma postura de apoio absoluto e incondicional ao Portimonense Sporting Clube. Ao mesmo tempo pretendemos também que os membros desenvolvam laços entre si por forma a criarmos um grupo verdadeiramente unido. Felizmente, penso que essa mensagem tem sido passada correctamente. Aliás, o grupo está em crescimento e até agora penso que só temos motivos de orgulho no que toca à nossa postura.


C.P.: De qualquer forma, a claque tem sido criticada por alguns adeptos, chegando ao ponto de ser posta em causa a vossa utilidade para o clube. Por outro lado também tem sido comparada a um grupo de apoio histórico do Portimonense, actualmente extinto, “Os Marafados”. De que forma têm lidado com isso?

B.: Bom, essa é uma situação que nos tem deixado algo desgostosos e que motivou mesmo a necessidade da publicação de um esclarecimento, da minha parte, no blog da claque. Penso que a confusão passa pelo facto de haver pessoas que não conseguem, por e simplesmente, separar as águas. Ou pelo menos quero acreditar que seja isso e não apenas falar mal por falar. Os Marafados fizeram coisas bonitas que orgulharam muitos Portimonenses e esse espírito foi reavivado, em 2001, com o regresso dos Ultras Marafados, mas de 2007 para cá caiu-se num vazio. Eu também pertenci aos Ultras Marafados e orgulho-me de dizer isso, mas simplesmente acho que não tinha legitimidade para voltar a renascer a claque e também acho que seria uma maneira de evitar possíveis criticas caso as coisas não nos corressem de feição. Por outro lado, sentiamos necessidade criar algo novo e romper com o passado. Mas para espanto meu, nem assim nos livramos das comparações com Os Marafados. Eu aceito que nos digam que não estamos ao nivel deles, pois isso é verdade. Agora acho que merecemos ser respeitados, ao invés de recebermos críticas destrutivas, pois fazemos algo que cá em Portimão mais ninguém faz, dar a cara no apoio ao Portimonense Sporting Clube.


C.P.: Embora as coisas não estejam a correr da melhor forma com os restantes associados, a direcção do clube sempre deu o seu apoio à antiga claque. Qual tem sido a postura do clube perante os Bianconero?

B.: O clube recebeu-nos de abraços abertos desde a primeira hora. A direcção mostrou interesse em conhecer o nosso projecto e disponibilizou-se para nos ajudar, dentro do que eles achariam razoável. Penso que toda a gente se sentia incomodada com o silêncio presente no Estádio Municipal de Portimão, sem excepção.


C.P.: No entanto uma claque impõe necessariamente custos ao clube. Para além de todo o processo burocrático a que neste momento se é obrigado, implica também um esforço para entrosamento de claque, clube, outros clubes e autoridades principalmente no que diz respeito a deslocações. De que forma a claque e o clube têm lidado com estas questões? Actualmente a claque encontra-se legalizada? Alguma vez tiveram problemas a estes níveis?

B.: Até agora, no único jogo a que fomos fora (Estoril), posso adiantar que tudo decorreu dentro da normalidade. Penso que não há nada que possa apontar a esse nível. Embora ainda seja cedo para dizer que tudo vai correr bem ao longo da época.
Actualmente a legalização da claque é algo que se encontra em processo. Foi uma situação prevista e discutida com a direcção do clube, que agora está a ser encaminhada tal como acordado entre ambas as partes. A conclusão do mesmo está para breve.


C.P.: Podemos então depreender que já se está a formar uma estrutura interna na claque. Podes-nos explicar um pouco do seu funcionamento e os projectos futuros previstos pela mesma?

B.: Actualmente, a direcção do grupo é constituída por 5 elementos. Por enquanto ainda não está prevista a formação de qualquer núcleo, embora seja algo que prevejo que venha a acontecer no futuro, pois por incrível que pareça, cerca de 50% dos elementos do grupo não são do concelho de Portimão. Mas, em principio, tudo dependerá do crescimento, ou não, do grupo.
A nivel de projectos futuros, estamos em negociações pelo patrocínio de uma camisola gigante que temos e que nos acompanha em todos os jogos em que estamos presentes. O objectivo, numa primeira fase, será obter material para os elementos da claque (cachecóis ou t-shirts), a troco da tal publicidade. Isto com o intuito de o grupo poder obter um financiamento que lhe permita, posteriomente, tornar-se autónomo (penso que, desde que haja uma gestão inteligente do dinheiro, damos aqui um grande passo)


C.P.: Subentende-se então que a nível de associação de membros a claque não tem encontrado dificuldades. O Portimonense é um clube que conta com gente disposta a dar-lhe apoio exclusivo?

B.: O Portimonense é um clube, que como quase todos os outros, sofre do problema de não ser um "grande" do futebol português. Dificilmente se nasce sendo do Portimonense, do Feirense ou do Trofense, quando a realidade que nos dão a conhecer na televisão, desde a idade em que começamos a ter percepção das coisas, é sempre a mesma... Benfica, Porto e Sporting. E o resto é paisagem... É como se condicionassem as pessoas desde logo.
Agora claro que existem pessoas que apoiam o Portimonense em exclusivo, e também existem os que apoiam o Portimonense mais que outro clube qualquer. E também é óbvio que existem aqueles que não apoiam exclusivamente o Portimonense, mas aí penso que também a claque tem um papel importante, ao tentar cativar as pessoas, aproximá-las do clube e criar uma espécie de culto ao clube da terra.


C.P.: Tocaste num assunto interessante, o papel da claque! Actualmente nos “media” uma claque é associada de imediato a violência e tal e coisa, não vale a pena estar a contar a história da carochinha que já todos bem sabemos. No entanto, as claques são muitas vezes um meio de aproximar os clubes dos jovens entre outros. Existem projectos na claque que visem apoiar o clube no seu crescimento?

B.: Obviamente que sim. Aliás, um dos motivos que nos leva a ter avançado para este projecto é o de comprometer-nos em aproximar os jovens do concelho ao clube. Medidas estudadas tais como: fazer uma propaganda forte e permanente: ao nível das escolas secundárias do concelho (algo que arrancará dentro de alguns dias), pois temos elementos dentro desse meio; ao nível de locais que o pessoal jovem costuma frequentar; ao nível dos escalões de formação; (este talvez seja o mais estranho, mas reparamos que actualmente mesmo os miúdos que fazem parte dos escalões de formação não têm aquela paixão pelo clube que seria desejável).
Basicamente, penso que são medidas comuns. Estudaremos mais em breve. Penso que se até ao final da época fizermos 100 sócios, será um número muito bom para a época de estreia (actualmente, contamos com cerca de 50).


C.P.: Encaras a internet como um meio útil de divulgação da claque?

B.: Depende... depende do contexto em que for inserida essa divulgação. Se formos falar de ter o link do blog num flyer, ou num placard como modo de fazer propaganda à claque, na esperança que as pessoas o vão visitar... é complicado. Mas se por exemplo, for feito um post, num blog mediático do Portimonense, sobre o nosso blog, o impacto será outro. Ou seja, penso que, ter por ter não vale a pena. Interessa sim, se o soubermos inserir de modo a ir ao encontro das pessoas de maneira directa.
A única real vantagem que vejo é o facto de pessoas de fora terem conhecimento da nossa existência de uma forma mais fácil.
Um inconveniente claro, é estar sujeito a todo o tipo de insultos, de forma gratuita, por pessoas que, regra geral, não se identificam.


CP.: Gostavas de deixar mais alguma mensagem aos nossos leitores?

B.: A nível de redação, gostava de agradecer o convite para esta entrevista, numa fase em que estamos ainda a arrancar, dando-nos a possibilidade de dar a conhecer o nosso projecto. Gostava ainda de vos dar os parabéns por este excelente espaço que têm mantido ao longo dos últimos anos.
A única mensagem que queria deixar era a de compromisso com o Portimonense Sporting Clube, prometendo muita luta e empenho para sermos mais e melhores.
Cumprimentos a todos os leitores.

C.P.: Desde já deixamos os nossos votos de sucesso para a claque!

Sabe mais sobre este grupo em: bianconero09.blogspot.com

2 comentários:

PRINCESA disse...

um conselho : caguem-se na net , pois entrevistas , sites e blogs ja existem os campeoes do algarve - ss - ...... apoiem o vosso clube no campo sempre sem terem de fazer publicidade ... AMOR nao e o que e publicitado , e o que e sentido !!!

a disse...

Mais uns com nome italiano...há necessidade? Coisa tipica da parolada...