29 abril 2009

V.Guimarães quer MAI a investigar o comportamento da Polícia no Porto.





O Vitória de Guimarães vai solicitar uma audiência ao Ministério da Administração Interna (MAI) e pedir que se averiguem os incidentes no final do jogo com o Leixões, segunda-feira, que envolveram adeptos de futebol vitorianos e a polícia.
Em conferência de imprensa, a direcção do Vitória apresentou várias fotografias que retratam as cargas policiais sobre os sócios e adeptos do Vitória de Guimarães no final do jogo no Estádio do Mar (2-2), da 26ª jornada da Liga e que ditou um empate (2-2).
A indignação do Presidente do Vitória não aparece do nada. Segundo Emílio Macedo, “os adeptos vitorianos foram revistados na estação de Serviço. Voltaram a ser revistados à entrada do recinto, assistindo, por isso, a apenas 45 minutos de jogo”. “A equipa foi também prejudicada, uma vez que não tiveram o apoio dos adeptos ao longo de toda a partida. No final do jogo, permaneci no camarote para ver aquilo que se estava a passar e fiquei muito triste com aquelas cenas tristes. A Polícia encurralou os adeptos, dando porrada sem sentido”, contou.
Segundo o presidente do Vitória, Emílio Macedo, são "imagens chocantes, que não dignificam o desporto".

Fonte: Lusa

Fotos: Vitória Sport Club

8 comentários:

Ricardo disse...

Cambada de frustados,grandes filhos da puta.
Era apanha los á porta de casa e limpar lhes o cebo!
A.C.A.B

força avense disse...

enquanto não houver união de todos os grupos isto vai continuar!!!

força avense disse...

Esta é daquelas “histórias”, que me marcaram profundamente, não só a mim, mas como Itália e o mundo em geral naquela década. Na altura ainda não andava nas curvas, mas recordo-me da trágica noticia como fosse hoje. Por se aproximar a data, aqui vos apresento os factos do sucedido. Por quase 14 anos, um triste 29 Janeiro de 1995, marcou imensa gente. A morte do jovem ultra Vincenzo Spagnolo de Génova ficara eternamente na memória de todos. Uma facada fatal feita por Simone Barbaglia, um membro da Brigate Rossonere, põe fim a vida deste jovem skinhead e membro dos ultras Génova.
Anteriormente a estes incidentes, Milão e Génova foram ligadas por uma forte amizade. Em 1982, na última jornada do campeonato, Génova e Nápoles empatam, e o Milão é condenado a ir para a série B. A partir desse momento a amizade "esfriou". No final dos anos 80 e inicio dos 90, os dois grupos ultras travaram duros confrontos, em San Siro (na temporada 91/92 foi um ultra milanês que esfaqueou um ultra de Génova, aquando da deslocação do Milão a Génova, são tremendamente apedrejados aquando do seu cortejo para o estádio), nos anos 90/91 foram várias as emboscadas dos genoveses nessa época, com 3 milaneses feridos). Houve ainda um jogo entre duas equipas que apesar de estar suspenso pela chuva, não exclui a hipótese de haver incidentes entre os 2 grupos. Na Temporada de 94/95 dá-se o abandono de vários membros da Brigate Rossonere, entre eles vários líderes históricos do grupo. Esse abandono faz surgir um segundo grupo, (denominado Gruppo Barbour) é conhecido por ser composto por jovens com ideias violentos.
Na quinta-feira antes do jogo, numa pizzaria em Milão tomaram a decisão de irem armados para Génova, para dar uma "lição" aos ultras da casa. No dia do jogo, partiram de Milão num comboio especial, e aparte dos outros cerca de mil ultras de Milão. O grupo aparte era formado por 20 pessoas, e não tinham nenhum distintivo, evitando assim a polícia. O grupo chega a Génova, e nas proximidades do estádio são verificadas algumas provocações e agressões, nada de especial, para não chamar a atenção da polícia. Chegam ao estádio, e ao lado da sede dos Ultras Génova, há novamente provocações. Entre algumas ofensas de parte a parte, um ultra Genovês foi esfaqueado no estômago. Várias pessoas que se encontravam naquela zona, correram em seu auxílio. Vincenzo Spagnolo, de 25 anos, morre… Por qualquer motivo, que na verdade ninguém soube explicar ao certo o que se sucedeu.

A partida começa às 14:30, mas rapidamente começa-se a espalhar a notícia da trágica morte de Vicenzo. A rádio acaba de confirmar o triste incidente e começa-se a avistar os primeiros sinais de revolta, todas as bandeiras e alguns objectos são lançados para o campo. Visto tamanha revolta, o capitão do Génova falou com os ultras e pediu-lhes calma, foi-lhes dito que o jogo seria suspenso em sinal de luto. Após uma reunião, os dois capitães leram uma declaração, na qual referiram não ter condições anímicas para efectuar o resto da partida. Em seguida, começou um cerco ao estádio, uma centena de ultras no domínio genovês, tentaram chegar ao local dos adeptos visitantes, tentando quebrar a protecção de vidro. A polícia chega, e o primeiro confronto ocorreu quando tentam expulsá-los do estádio. A batalha campal começa, são atacados vários polícias que protegiam o sector visitante. Os ultras de Génova barricam-se nas ruas próximas ao estádio, enquanto a polícia chama reforços. O chefe da operação tenta entrar nas imediações do estádio, mas foi interceptado por um coqueteil Molotov. Após 3 horas de cerco, incluindo o prefeito de Génova chegou para tentar manter um diálogo com os ultras. Entretanto são queimados carros, lojas são destruídas...


A polícia debruça-se agora sobre o facto de como remover os ultras de Milão. É impossível saírem de comboio, porque os ultras de Génova dirigiram-se para lá para efectuar uma espera. As 22:30, são finalmente transportados de autocarro para Milão. Foram escoltados por um imenso contingente de polícias. Antes da entrada para os autocarros, tenta-se identificar o alegado assassino, mas sem grande resultado. Após quatro horas de viagem pela auto-estrada, os polícias identificaram um jovem, pela fotografia que tinha sido facultada pelos polícias de Génova.
Na manhã seguinte, em Milão, o alegado homicida, Simone Barbaglia (19 anos), confessou durante o interrogatório de ser o assassino. A jornada seguinte do campeonato foi suspensa. No fim-de-semana seguinte, reuniram-se em Génova cerca de 400 ultras, representando 38 cidades. Apenas um grupo dos ultras Milão, Torino, Juventus e Lazio não marcaram presença. Foi debatido o assunto “violência no futebol”. Também durante a reunião foram abordadas questões como a fragmentação das curvas, e o controle de micro-grupos, a política, as regras do comportamento, o ser ultra… Desde logo foi decidido que a partir dali não seria legítimo qualquer grupo usar armas. Depois do reencontro foi emitido um comunicado condenando o episódio, e concordaram em paralisar os próximos jogos.
Depois da primeira prisão começaram as investigações, e consequente julgamento, através de um procedimento rápido. Barbaglia é condenado a 11 anos e 4 meses de prisão. Os três detidos: Carlo Giacominelli, Massimo Elica Dozio e Luigi, o primeiro foi o líder do grupo que partiu de Milão, e que foi com a intenção de atacar o genovês. Duas curiosidades sobre Giacominelli: 2 meses antes do assassinato havia sido entrevistado no Supertifo sobre a existência de 2 grupos dentro do BRN e a outra é que, na curva era conhecida como a "Cirurgião" pela sua habilidade com facas. No julgamento afirmou que atacou sem intenção de matar, e só o fez para proteger-se, pede desculpas à família de Spagnolo, e escreve cartas de arrependimento.

Este episódio mudou em muitos aspectos o movimento ultra Italiano. Até então nunca se tinham reunido em torno de uma mesa, os líderes dos grupos, para tentar encontrar um diálogo favorável a ambos. Desde então, e até aos dias de hoje, tem sido celebrado o aniversário da morte deste Ultra, para que não seja esquecido o nome de Vincenzo Spagnolo. No décimo aniversário de sua morte foi publicado um livro de Luca Vicenti em homenagem a Spagnolo, e tem o nome de: "Diário de um Ultra Domenica" e refere os trágicos acontecimentos desse jogo. Penso que este episódio deu uma enorme lição a todos, e há varias conclusões a retirar. Penso que esta mais que provado que o usso de armas é ilegítimo, e nem em último recurso devera ser utilizada, com pena de nos virmos arrepender no futuro.


UM EXEMPLO DE COMO A UNIÃO FAZ A FORÇA E A DIFERENÇA

MOSH SIDE disse...

ACAB mesmo....isto ano veem eles...so veem e uma tocha....ou um pote de fumo que e' aberto numa bancada...que nao faz mal a ninguem...isso veem eles..e multam....e agora???quem vai multar essa embuscada que fizeram aos WA?? e se fosse ao contrario??? "ah i tal os ultras sao maos..vamos acabar com as claque organizadas tambem"... Deixem os ultras em paz...LIBERDADE PARA OS ULTRAS....


temos k unir contra a carga policial.


COERENZA E MENTALITA

susana disse...

É vergonhoso o que acontece e ninguem diz nadaaaaa, ninguem faz nada.... Se fosse outros clubes ja estava na televisao mas sao os adeptos do vitoria nao vale apena, é a vergonha da policia... Depois queixam-se que nao adeptos a ir aos estadios, pois nao ha com policias assim... Sinceramente era filmar tudo e mostrar na tv o uso do poder... Pessoas inocentes, crianças, esses policias dormem bem de noite???

vsc4ever disse...

Mosh Side:

O problema é k nem foi por causa da toxa, eles j andavam a picarnos desde o inicio, o pessoal do vsc chegou atrasado ao jogo pk a policia decidiu revistar toda a gente numa bomba de gasolina, demoraram mais de uma hora para revistar toda a gente e kem fala-se kem resmunga-se por ja tarem atrasados para o jogo levava logo porrada.
Depois dentro do estadio mal acabou o jogo os jogadores do vsc decidiram dar camisolas deslocaram-se para perto da rede mal os adeptos do vsc se aproximaram da rede para ir caçar camisolas, a policia sem razão aparente decidiu começar a dar porrada ao povo do vsc, a conta dessa emboscada da policia o povo do vsc atirou uma toxa para a policia, como se vê na imagem.

Mas o grande mal disto tudo foi o k tu disses-te se fosse os wa a investir na policia era logo escandalo nacional, pk os ultras isto pk os ultras akilo, eramos logo os maus da fita, a policia da porrada a toda a gente sem razão aparente mas para portugal ta tudo bem não se passa nada.

A policia portuguesa ta a ficar como a policia brasileira.
A kem chame aos ultras uma cambada de gangsters arruaceiros mas eu pgt.
Sabeis qual é o maior gang de portugal?
A POLICIA, esses sim são o maior gang arruaceiro, sem respeito por ninguem, parecem uma cambada de animais selvagens k batem a tudo ke se mexe.

Eu gostava de ver uma investigação sobre k tipo de pessoas estão na força de intervenção k tipo de caracter têm, e irão ver k são pessoas frustadas sem personalidade, muitos deles têm problemas familiares e batem nas suas mulheres e filhos, kuase todos são sado-masoquistas têm problemas de auto-control.

Governo, liga de clubes ou la kem toma conta da segurança nos estadios:

METAM UMA MERDA NA CABEÇA NUNCA NA VIDA SE IRA COMBATER VIOLÊNCIA COM MAIS VIOLÊNCIA, ASSIM SÓ SE ESTA A PROVOCAR VIOLÊNCIA.

Joao Fernandes disse...

È uma vergonha...
Inqualificavel e reincidente, sem explicação...
Em Guimaraes vimos varios elementos da claque do Sporting a entrar dentro do Campo sem sequer serem idenificados.
Acho bem solicitar metade do valor dos bilhetes à Policia do Porto!

CEO disse...

nos assuntos sérios, a puta da canalhada que por norma infesta com dezenas de posts estes blogs, esconde-se.

tou admirado nao ter aparecido nenhum otário a dizer que foi merecido.